• Cordel Imagens

Será que as fotografias perderam seu valor econômico?


O tema pode ser discutido conectando alguns pontos, começando com a consolidação das agências de fotografia, bancos de imagem, a transição do filme para a captura de imagens digitais até a conjunção de crowdsourcing com a internet e as mídias sociais.

A boa notícia é que a fotografia (assim como vídeo) permanecem vitais para todos os aspectos do mundo dos negócios. Empresas precisam de fotografia e sua demanda é duradoura e universal. Fotógrafos, que respiram, não correm o risco de serem substituídos por imagens de IA ou geradas por computador tão cedo. Afinal, se fosse plausível suplantar câmeras e lentes inteiramente com algoritmos, o olho mental de um fotógrafo ainda teria que inventar e codificar o que seria visto como uma fotografia. Entre outras tecnologias, imagens geradas por computador (CGI) são apenas acessórios para fotos do século XXI.

Dado que o poder econômico da fotografia original é indispensável para marcas e grupos de mídia para ajudá-los a informar e conectar com seus clientes, é cada vez mais difícil para eles encontrarem imagens comercialmente úteis que de fato reflitam a imagem real de sua empresa ou tema de seu interesse, especialmente on-line. E se fotos úteis não estão no sistema, nem mesmo a IA poderá encontrar o que não existe.

E a questão da utilidade para os editores ou equipe de marketing / comunicação está diretamente relacionada à questão da lucratividade para os fotógrafos.

Fotografias podem adquirir um valor altíssimo - valor real além do valor inerente - quando associadas a marcas comerciais. Elas se tornam ativos financeiros, geralmente protegidos pelas marcas através de contratos e leis de direitos autorais. Empresas muitas vezes não poupam despesas para proteger esses ativos. Embora em constante mutação, o fotojornalismo também adquire um tremendo valor cultural, histórico e financeiro, isso sem falar no mercado de arte.

Fotógrafos profissionais são uma elite dentro do universo fotográfico.

Seus clientes, com quem cultivaram relacionamentos ao longo do tempo, os diferenciaram para serem confiáveis a grandes orçamentos e responsabilidades criativas maiores.

Essa elite possui os direitos autorais das fotos que já produzidas e ainda não publicadas, além de fotos publicadas para as quais os direitos autorais foram revertidos depois que as licenças expiraram. Essas fotos não publicadas e revertidas por direitos são chamadas de “resíduos” e são elas, ao lado dos profissionais que muitas aparecem na parte de usáveis nos bancos de imagens.

A Shutterstock e Adobe, as duas empresas de capital aberto envolvidas na distribuição de imagens já concordam que as fotografias são insuficientes. O mesmo acontece com seus concorrentes particulares, principalmente startups, mas que incluem a gigante Getty.

Os registros públicos confirmam essa afirmação. No entanto, para sua consternação, essas empresas não conseguiram aumentar substancialmente os preços. Apesar das vendas brutas anuais de bilhões de dólares, independentemente de quantos concorrentes existem no mercado em um determinado momento, a receita permanece a mesma.

Essas empresas trocam receita entre si como a espremer o ar em um balão. Se uma empresa ganha mais, as outras ganham proporcionalmente menos e vice-versa. Todas elas disputam uma fatia do mercado, mas não conseguem aumentar seu tamanho em geral. Elas não são elásticas o suficiente para acomodar a expansão do mercado e estão presas aos clientes que têm consumidores comuns e que estão apenas dispostos a pagar preços baixos.

Em outras palavras, eles não podem aumentar o volume de ar dentro do balão (ou seja, conteúdo útil) e não possuem um balão maior. Isto é, compradores com critérios diferentes dos consumidores atuais. O resultado é que resta dinheiro na mesa que os compradores pagariam por fotografias dinamicamente renovadas e produzidas por profissionais que não podem ser encontradas no sistema existente.

Às vezes tirar fotos pode ser fácil, mas o negócio de tirar fotos com certeza não.

Quando for contratar um fotógrafo ou optar por comprar uma imagem em um banco de imagem, pense no seguinte:

1. Amadores continuam tentando acertar, enquanto profissionais garantem que não dê errado;

2. Exatamente quanto isso vale para você.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo